27/08/2007

Consummatum est

Mas não: querendo incrementá-la, acabou inventando o tal do ser humano, em vez de se contentar com bichos-da-seda, palmeiras e sabiás, e arruinou sua obra. Tudo em apenas seis dias, pra se matar de remorso no sétimo – eis a verdadeira conotação do ‘descanso’ divino. Quem passa a mão na cabeça de deus esfolia-lhe os chifres, acelera a calvície, até o ponto de tonsura. Quiçá sequer houve inveja por parte de Lúcifer em relação a deus, pois a inveja calcada na inteligência só se dá em face do pendor que os ácaros têm para a filosofia. Não acredito na existência de deus, sendo ele Cristo, Satanás ou o átomo. Inclusive duvido da existência dalguém vivo o bastante pra descobrir que esteja morto. Cristos e Satanases surtem o efeito dinâmico da carência humana pela carne eterna. Toda religião cultiva o frisson diante de um bife enervado, concorre com os vermes e pra estes o perdem. Não houve um só homem que não tenha sido convertido pela promessa teologal dos vermes. Não creio que haja alguém grande o bastante pra cultuar sua lombriga (e reclamar de barriga cheia). Acredito fervorosamente que todo homem receberá seu devido julgamento. Se um deus embromou seu renascimento durante três dias, imagino quanto tempo despenderá quando for julgar um homem já condenado pelos carrascos larvais. Enterrados ou cremados, não há escapatória: todos serão hóstias de um método. Morte designa o nome genérico conferido à cerimônia onde ceiam o descendente de Adão. Nada mais justo: se ele veio do barro, que retorne ao barro. A hipótese de inferno não felicita meu suicídio, mas coroa minha cabeça com a idéia de que a vida não passa de um cerco furado. O homem só vai ao inferno se nunca sair daqui.
...
Em nada admiro divindades marmóreas, pois não vejo nobreza no apego por criaturas pequenas. Fique óbvio que não faço alusão à estatura: o agaivê e o câncer são honoráveis feras ¨praticamente invisíveis¨, logo merecem respeito, ma non troppo, considerando o que predam. E se os cães e demais bichos delimitam seu território com o jorro advindo da genitália e/ou boga, qual o problema em oferecer minha bunda, se viso assinalar o pênis que me pertence? Não acredito na existência (moderada) de enófilos/enólogos. Quem bebe, o faz por um capricho quantitativo, ambiciona o penúltimo copo deleuzeano; quem bebe, de verdade, costuma pagar uma dose praquela arrombada ressaca. Detesto vinho, por motivos óbvios também. Todo sacerdote católico, no epicêntrico ato eucarístico, confessa sua queda (necro)canibal-vampírica, dado o gosto em ingerir o corpo-sangue literal. Sim: quem entra na fila a fim de engolir carne e sangue humanos = antropófago/vampiro, ou os católicos vão alegar, agora, que tanto a hóstia quanto o vinho apenas 'simbolizam' o lado orgânico do redentor? Então o Milagre de Lanciano não procede? Outra: os católicos adotam práticas pagãs, logo não faz sentido condená-las. Quanta cara de pau!
...
(__) Diga-se de passagem: não cultivo paciência nem respeito por quem dá a suposta própria vida pelo pico, gole ou trago. Bastam os mártires aureolados que morreram de overdose; basta esta praga de existência! Em prol da vasectomia nas argilas, ad amusim! Ainda querem remediar a existência com a tal da eternidade. (†) Por que não posso simplesmente morrer, feliz para o todo sempre? Além do mais, que misericórdia incondicional (?) é essa se um deus precisou edificar mais outro inferno? Se ele quis perdoar a todos, genérica, indistinta e irretroativamente [________________(?)], por que ser instruído, desde o berço, a engordar a culpa pela morte dele, justo ele, justo alguém absolutamente capaz de evitá-la? Perdão não endivida o perdoado. (†) Pra que outro inferno se há o abismo entre alegoria e literalidade bíblicas? Se Adão é o útero de argila que me pariu sobre o leito alegórico, como saber quando estou diante duma figuração ou dum fato concreto? Âââ. E. Qual a extensão e validade desse perdão? Aquilo só prova o seguinte: se deus morreu naquela cruz pra perdoar os pecados do leitor, não cabe a mim perdoá-lo, porque não há nada mais repugnante e medíocre que um deus, daquele jaez, ser abatido pelo ser humano. Fosse deus onisciente, não teria se inventado. E se há quem reze, implica que deus pode interferir, pôr a mão na massa, e se porventura ele interfere, de que livre-arbítrio tratam? No mesmo rumo, só há livre-arbítrio se estou diante duma escolha a qual não (me) acarreta apenas sanção. Se deus age quando oram e quando pune, onde a emancipação humana se consolida: quando da interpretação/confecção da vulgata? Duvido haver um inferno tão desordenado e confuso quanto esse calhamaço considerado de inspiração divina (¨até mesmo, convém elucidar, quando Satanás se inclui no rol das divindades responsáveis¨)! Associam a figura de Lúcifer às confusões de primeira ordem e mentiras soberanas, entretanto (quer saber?), não faz sentido omitirem sua contribuição direta à bíblia, pois ela se manifesta cristalina e saliente. Humpf.
...
Que deus é esse que burla as próprias leis e me exige o cumprimento dos dez mandamentos? Por ora, não acredito na existência de deus algum, seja ele Cristo ou Pazuzu. (†) É notório que Cristo foi crucificado nu, porém é defeso representá-lo com fidelidade, pois o que seria da cristandade se flagrassem o messias de pênis ereto? Cristo, o protomasoquista; São Jerônimo, o protossurrealista; Lutero, o maior foco da epidemia (ao licenciar a 'livre interpretação' da vulgata, surgiram as igrejas-gremlin, as quais, salpicadas com água-benta, multiplicaram-se mais que pão e peixe. Por isso há mais igrejas que cristãos. [Daí o medo de dormir em minha cama e acordar em banco de igreja. Desde a Reforma, nunca mais dormi!]); Kardec, o oportunista (valeu-se do livro mais 'pop' do mundo dos vivos para convalidar sua doutrinice). Existindo um deus, este não merece uma religião (aqui, o verbo 'merecer' tem sentido alegórico). Uma bíblia não merece atenção nem paciência da poeira. Não tenho um pingo de respeito por quem respeita tudo. Religião = divã dos que não toleram o ato sacrificial da criatividade, dos que temem o risco do compromisso consigo mesmo. Dilui o direito à identidade na padronização imposta como cláusula pétrea. A bíblia = passatempo predileto dos criminosos caretas de alto escalão, arsenal que o senso-comum aponta sem saber manejá-lo. Eternidade = solução encontrada no momento para o mesmo momento, capaz de saciar a fome imediatista, mas não o apetite refinado. Eternidade é exigência de glutão; gente fina come pouco, sacia-se com o finito. Homem = coisa concebida à imagem e semelhança do planejamento de si mesmo pra si próprio. Quem se doa à religião realiza o desejo da pulga sem circo. Igreja católica = instituição contra a homossexualidade e simultaneamente a favor de seu fabrico. E qual o problema de um homem que se tornar mulher? Aberrante, amoral e perigoso é quem se transforma em deus.
...
O ser humano só não se compõe, quando, por receio ou dó, deixa de abater deuses e/ou demônios. Deve 'querer' (necessidade orgânica) ser a si próprio de maneira inconseqüente, todavia deve se responsabilizar pelas conseqüências decorrentes do projeto de si mesmo. Ele não experimenta deus, e sim idéias bem plasmadas sobre deus ou si próprio. Cabe a ele decidir como se moldar de acordo com os fatores hereditários e externos, influências voluntárias e involuntárias, fazendo de si mesmo não o único, mas o primeiro ponto de referência. Uma religião não dispõe do direito de escolher para o homem o que ele quer de si, para si mesmo. Uma religião também não tem interesse em responder bulhufas: apenas indica uma explicação simpática cujo riso costuma estender o problema. Ela nada responde. Além das guloseimas, incumbe-se de oferecer explicações ralas recalcadas por um repertório frágil, desonesto e opressor, as quais acompanha desde o esquecimento do bom-senso. Banco de igreja = banco de réus. Amém.
...
Quem se deixa guiar por um deus, engessa a faculdade de se criar a partir do que se quer de si, para si mesmo e para outrem. O homem é o único animal a usufruir de sua racionalidade pra viver em função de um deus, em detrimento da natureza que o saúda a viver, bem e com dignidade, aquém da religio perennis. Chega de lamparinas, de oráculos, de avatares, musas à la Delacroix e de ícones revolucionários poluentes; chega de cultos ao heroísmo e exaltações em massa do mérito humano! Chega. (__) Se mártires são projeções subordinadas ao superego, então devem ser caçados, torturados e eliminados, pois só assim se pune devidamente o desgraçado portador de messiania (¨psicose teossomática irremediável¨). De igual modo, não me venham deificar a poesia, declarando-a "a linguagem por excelência". Humpf. Típico discurso ditatorial comumente (e inconscientemente) proferido em tom inofensivo, embora camufle um "quê" fascista, sedento de unanimidade. Quem eleva a expressão artística, ideológica ou religiosa à condição de epifania costuma receber benção tanto no seio totalitário da filhadaputagem stalinista quanto nas soeiras da infalibilidade nazipiodozeana. (__) Deus quis ser deus, tratou logo de inventar o ser humano, e se matou no sétimo dia, antes de testá-lo. Toda idéia de deus bíblico canoniza uma prática diabólica. Por onde deus passa, ele deixa um rastro de sangue, sangue misturado ao barro – assim ele se safa. (†)
...
Arte: Tatomir A. Pitariu - Título: Birth of Evil - Site: www.tatomir.com

13 comentários:

Ana disse...

Às vezes eu quase acredito em mais ou menos algo parecido com isso, mas aí me dou conta que é crença, e crença por crença, já cria (ó-i) um fundamentalismo, então sigo caminando contra a nuvem de pó, respirando odores nauseabundos, e acho mesmo que tudo isso é sonho, e que um dia vou acordar quentinha na minha caminha, e que Clark Gable vai chamar o café da manhã estalando a dentadura. E eu vou rir, rir, rir, até o não juízo final. E se for tudo uma mera cadeia, com programinhas implantados pra gente acreditar que tá vivo, eu também posso fazer uma revolução e puxar O Grande Fio da tomada. E CaBOOM! puifff...

Ana disse...

Aliás, tô até vendo o post mortem. Vai chegar alguém, passar a mão na minha cabeça, olhar para seu acompanhante prateado e dizer: "Tadinha, mas uma que acreditou". Depois, vão me encaminhar para uma cela, de onde eu verei o protozoário-mãe gesticulando regras incompreensíveis. E quando eu bobear e dormir, eles vão me desligar, de fato, e por direito. E tudo que restará balbuciar será: "Mas o pau deles subia, mas o pau deles sub...

L. Rafael Nolli disse...

Uma mitologia que chega a ser interessante, essa da existência de um deus com mais poderes que os power rangers ou que os x-mens. Mas não vai além de mitologia. Com certeza bastaria ter ficado nos Sabiás, que "reza" a lenda jeca-tatu de nossa terrinha canta todas as tardes nas antenas de TV:
- Piedade, senhor. Piedade, senhor.

marirsv disse...

Vejo apenas que a maior conquista de qualquer humano é a liberdade, certamente não há como negar que a existência de algo com poderes divinos é capaz de cerceamentos que diante de alguns, podem significar a propria morte ou vida!
A crença no divino é algo que acompanha o ser humano antes mesmo de qualquer alfabeto, apenas por necessidade de explicações ao desconhecido, que querendo ou não torna-se outro cerceador, o que não são as ansiedades descomedidas ou mesmo o temor diante dos passos abismais? Toma-se ansiolíticos (será outro Deus?)e a propria ciência, filosofia não são metaforas deste? Algemados estamos!
Não me atentarei a qualquer instituição, pois estas sempre são geridas por humanos portanto absolutamente questionáveis.
Acredito apenas, mesmo sendo posição de utopia extrema que o grande Deus ou mesmo Deusa é a consciência real! Esta liberta ou mesmo oprime, quem não somos nós se não exatamente, experiências vividas, reflexos sociais e familiares ou mesmo as escolhas de comida e bebida (digo em qualquer universo, livros lidos, sons ouvidos....)
Estou 'cansada de semi deuses', de assepsias, listas dos mais mais e toda a orda social que vivemos.
Apenas questiono, até mesmo a crença em Fernando Pessoa!
Não sou isto ou aquilo!!!!!
Porém enquanto questionamento existir acredito em deus (a)!

Paulo Castro disse...

É uma época engraçada. Veja essa moça aí de cima. Maria alguma coisa. Está toda putinha, odeia os mais vendidos, questiona ansiolíticos, mas no fim das contas, fica com Deus. Ou Deusa, o que me fede à "neo-paganismo", o paganismo do Neo, do Matrix, ou seja, Wicca.
Wicca-Wicca na botija, minha filha.
O fato é, a ideologia possue várias estradas e algumas são mais lentas, outras mais velozes.
Foder, todo mundo fode, comer, roubar. Dão o cu, chupam as rolas, cometem adultério e outros pecados, que se tornam "pecadilhos" pelo poder diminutivo que a classe média tem sobre os conceitos.
Mas a estrada da moralidade continua lenta.
Paradoxos de tráfico.
Quer a vida depois da morte, quer Deus, quer anjos tocando as trombetas do Himalaia com o Dalai junto?
Ok, reveja sua moralidade. A adeque. Pague o preço. Pense nisso, minha filha.
Quer o céu para seus filhos ? Faça de si a imitação de Maria.
A aposta de Pascal funciona sim, mas só se for pra valer( se não souberem do que se trata, rezem para o Deus Google).
°
Ricardo: abuso de inteligência, sacadas, e com uma fudida capacidade de achar as palavras EXATAS !
O poder de convencimento sobre a gentalha é perverso e adorável.
Vc faz: Perpetuar a espécie é antes de tudo, perpetuar o crime.
°
Já te falei de um livro do Michael Onfray que é SEU ?! Compre pela internet, sei lá, dê um jeito.
"Tratado de Ateologia".
Compre, traga aqui pra Campinas e vamos ler com violão nos barzinhos aqui do Cambuí, antes de sairmos para assassinar usuárias de vibradores unicórnios.
°
Na Idade Média, seríamos monges.
Que diversão !!!!
°
Te amo até o Apocalipse terminar ( São João iniciar com os anti-epilépticos, o Gardenalzinho de praxe).
°

marirsv disse...

Meu querido!!!!
A Maria alguma coisa aqui apenas disse que fica com a doce consciencia e esta questiona qualquer dependencia!
Se for para morrer de ansiedade morro, bem como na crença do divino, em algum momento eu disse quem é ou seria meu deus ou deusa?
Enagno seu....puro, até pq não sou idiota a ponto de sair pregando em local ainda desconhecido!
Por favor, sem apologias, vamos as humanidades ok?
Se postei ao Ricardo é que mesmo não amando-o apocalipticamente tal qual vc, não necessitando de gardenal ou tramal, não nego que há consistência, se fálica ou não, basta a ti tá bem!
E fico felizérrima de ocasionar 'graça'!!!!!!
Sinceramente nada de puteza!!

Bjussssssssss

Grazzi em ContRo disse...

Ia falar um monte de coisa mas na verdade só tô triste mesmo.
Não acredito em deus nenhum que me fortaleça, nem em santa putaria nenhuma, nem em crime maior que eu.

jorge disse...

RW está zangado.Compreensivelmente zangado. Zangado com as empulhações de todas as religiões, principalmente as cristãs, com o abuso de licenças poéticas do Velho e do Novo Testamentos e com o exagero cínico das alegorias da Vulgata. A tese de RW: Deus é uma invenção do homem que, por ser fraco e pusilânime, abre mão da prerrogativa de traçar por si próprio sua trajetória no mundo, delegando-a a um hipotético ser superior, criador de tudo que há no universo e possuidor de fantásticos super-poderes: onisciência, onipotência e onipresença. O primeiro desses maravilhosos atributos divinos é o que mais o irrita. Se Deus sabe tudo sobre todos, o tempo todo, por que permite que os homens “pequem” e por conseqüência se auto-condenem ao Seu “inferno”? O que seria o “inferno”; o que é o “paraíso”? Mais complicado: Quem é mesmo o Anjo Decaído? As proposições de RW não são novas nem originais, mas ele as desenvolve com a graça do seu estilo único e segundos antes da gente esboçar um bocejo sobre assunto tão requentado, tira da manga um chiste non-sense como só ele sabe fazer e a gente relaxa - isso aqui não é um tratado teológico chato. Uma frase que recolhi e nunca vou esquecer, e que gostaria de esfregar na cara do cardeal Ratzinger, vulgo Bento 16: “Perdão não endivida o perdoado”. Sublime.

Beth disse...

Ok, RW. Muito bom !
Não acredito em deus, em santos, em padres, em instituições religiosas, nenhuma religião.
Eu acredito em tudo que eu vejo, que a ciência pode comprovar. E na sorte, no acaso, na força do seu querer, na sua atitude, quando você faz acontecer. Eu acredito nisso.

Paula disse...

Porra.
Eu nunca li um texto sobre o tema que fosse tão simultaneamente belo e literário E com argumentos tão sólidos e objetivos.
Parabéns.

Anônimo disse...

Na dúvida, só umas perguntinhas básicas:
1ª Já viu Tropa de elite? (Associei quando li "... não cultivo paciência nem respeito por quem dá a suposta própria vida pelo pico, gole ou overdose)
2ª A culpa não poderia ser pela morte simbólica do Pai? A 3ª procede daí: Você leu Totem e Tabu? O futuro de uma ilusão? Deus não joga dados? O elogio dos intelectuais? A nova aliança? E, last but not least: O homem sem qualidades?
Bj

Priscila Manhães disse...

Por tudo isso o meu deus é Dionísio, um deus que não é soberano, é um tanto 'humano'.
Bisous

Fer disse...

Ótimo.
A propósito: Domine, quo vadis? rsrs
Abração!